Projeto Educativo de Escola

regulamentos

Projeto Educativo de Escola

Informação atualizada em 25 de setembro de 2019

Preâmbulo

“O projeto educativo é o documento que consagra a orientação educativa do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada, elaborado e aprovado pelos órgãos de administração e gestão para um horizonte de três anos, no qual se explicitam os princípios, os valores, as metas e as estratégias segundo os quais o agrupamento de escolas ou escolas não agrupadas se propõe cumprir: a sua função educativa.” Decreto-lei nº75 art. 9 alínea a) de 22 de abril de 2008.

A conceção e a concretização do Projeto Educativo de Escola (PEE) são indissociáveis de documentos reguladores da política interna do Centro Helen Keller (Regulamento Interno, Plano Anual de Atividades, Programa Próprio de Turma/ Grupo e outros instrumentos de planeamento e gestão escolar). Há assim um conjunto de documentos essenciais ao processo de autonomia e à função educativa da escola, os quais se inserem e inter-relacionam no contexto da realidade geográfica, económico-social e cultural que conferem identidade própria à organização escolar.

Neste sentido o PEE, para o desenvolvimento do currículo, contempla os princípios, os valores e os objetivos de âmbito nacional, garantindo assim as grandes linhas orientadoras patenteadas na Lei de Bases do Sistema Educativo e sua adequação às características e especificidades da escola.

Após a definição dos princípios, valores e objetivos é necessária uma efetiva concretização que será feita através de diversas estratégias que pressupõem a utilização adequada dos meios para alcançar os fins.

A nossa preocupação na elaboração do Projeto Educativo de Escola para o desenvolvimento do currículo é cumprir a intenção subjacente ao ato de educar que pressupõe a formação global dos alunos, tendo por base os princípios do Movimento da Escola Moderna e a Pedagogia de Freinet.

A partilha de experiências e aprendizagens entre os alunos normovisuais e os seus pares com necessidades de saúde especiais (NSE), é fundamental para o desenvolvimento global de ambos os grupos, tornando assim o Centro Helen Keller uma escola de referência no ensino inclusivo para a deficiência visual desde o berçário ao 9.º ano de escolaridade.

Deste modo, a nossa linha de ação tem por base a integração harmoniosa dos alunos com NSE, fomentando um ambiente de igualdade de oportunidades que se concretize, no futuro, no exercício de uma cidadania plena, formando cidadãos conscientes e atuantes, dotados de competências cognitivas, psicomotoras e sócio afetivas de modo a desenvolver não só os valores da democracia, mas também os valores do humanismo, tais como a solidariedade e a tolerância.

No sentido de concretizar as estratégias definidas, a escola elaborará instrumentos operacionalizadores das práticas a adotar, entre eles:

Projeto Curricular de Escola (PCE)

Este documento exibe a apropriação e a reconstrução do currículo face ao contexto em questão através da definição de ações e de intencionalidades próprias. Requer, deste modo, formas especificas de gestão e de organização curricular adequadas a aquisição das aprendizagens. O PCE converte os programas em propostas de intervenção didática necessárias ao desenvolvimento da prática.

Regulamento Interno (RI)

A escola é uma organização de grande complexidade, pelo que, para o seu correto funcionamento, necessita de um regulamento que defina internamente, de forma clara, as regras de convivência e os direitos e deveres dos atores intervenientes no processo educativo. Esta regulamentação deve ter sempre presente os objetivos e fins da organização e as linhas orientadoras do PEE.

Plano Anual de Atividades (PAA)

É um instrumento de planificação das atividades escolares para o ano letivo, onde os atores envolvidos tomam decisões sobre objetivos a alcançar, estratégias, meios e recursos para as concretizar. As formas de conceção e operacionalização dos projetos e atividades curriculares, culturais e desportivas, desenvolvidas durante o ano letivo e descritas no PAA, estão em consonância com o PEE.

Programa Próprio de Turma/ Grupo

Este instrumento rege-se pelos princípios orientadores do PEE, tendo em conta a especificidade de cada turma/ grupo. Deve ser elaborado por todos os docentes que trabalham direta ou indiretamente com a turma/ grupo definindo as metas prioritárias, as estratégias e as atividades adequadas à turma/ grupo, bem como as medidas educativas para os alunos com necessidades de saúde especiais.

CHK – a nossa identidade

  • De onde vimos?

O Centro Helen Keller é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), com mais de seis décadas de história, situada na zona Sudoeste de Lisboa, no extremo do Parque de Monsanto, na Rua Dr. Mário Moutinho n.º 20, 1400-136.

Em 1929, durante um congresso de oftalmologia em Haia, é criada a Associação Internacional de Profilaxia da Cegueira. Neste congresso, foi solicitado ao oftalmologista, Dr. Mário Moutinho, a organização, em Portugal, da representação da mesma. Assim nasce em 1936 a Liga Portuguesa da Profilaxia da Cegueira (LPPC). A partir daí impôs-se a necessidade de se criar uma clínica de reeducação de diminuídos visuais em Portugal. Este projeto de Mário Moutinho só veio a ser concretizado em 1955 por três nomes de vulto em dois campos distintos. No campo da Medicina, o oftalmologista Dr. Henrique Moutinho, filho de Mário Moutinho e seu sucessor na Presidência da Liga e o Pedopsiquiatra Doutor João dos Santos e, no campo da Pedagogia, a Pedagoga Doutora Maria Amália Borges.

Em março de 1956, a convite da LPPC, Helen Keller vem a Portugal e com grande satisfação dá o nome ao Centro, o qual passa a designar-se Centro Infantil Helen Keller e posteriormente Centro Helen Keller.

É, por isso, com enorme orgulho que continuamos a adotar o nome desta grande escritora e digníssima mulher que, embora cega e surda desde os 19 meses, mostrou-se uma lutadora, tendo conseguido não só prosseguir os estudos, como tornar-se uma bandeira internacional de superação de obstáculos.

  • Como nos vemos?

O Centro Helen Keller é uma escola que integra alunos com deficiência visual e normovisuais, desde o berçário até ao 3º Ciclo. São ministrados os currículos estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência pelo que tem paralelismo pedagógico. Assim, além do percurso dito regular, do berçário ao 9.º ano de escolaridade, disponibilizamos um espaço de aprendizagem, descoberta e sociabilização, para os alunos que beneficiam de um currículo educativo individual, a Sala Aventura.

A integração de alunos com diferentes necessidades torna-nos únicos e implica a constituição de uma equipa pedagógica exigente, em constante formação, e com uma enorme disponibilidade para a resolução dos problemas. Os nossos técnicos colaboram ativamente entre si de modo a viabilizar uma integração plena durante o percurso escolar dos nossos alunos, criando também meios para a sua inserção no mercado de trabalho, terminada a escolaridade obrigatória, bem como o encaminhamento dos mesmos para as diferentes ofertas formativas.

Como forma de dar resposta a estas questões, defendemos a combinação de diversas metodologias, e uma vez que, é pretendido que o educador/professor favoreça um ambiente facilitador da aprendizagem que vá ao encontro das necessidades e interesses das crianças e jovens, podemos afirmar que a pedagogia que caracteriza o Centro é a construtivista.

Consideramos ainda que a motivação pelo estudo, o esforço, a responsabilidade, o rigor e a exigência são os caminhos a percorrer para a concretização desta missão.

Para além de depender pedagogicamente do Ministério da Educação e Ciência, depende parcialmente ao nível financeiro, através de subsídios aos alunos portadores de deficiência visual com autorização de encaminhamento da DEGEST e também da mobilidade estatutária de alguns professores. O restante financiamento advém das mensalidades dos alunos e de donativos.

  • Para onde vamos?

A escola que queremos ser…

UMA ESCOLA DE REFERÊNCIA E EXCELÊNCIA

O projeto educativo desta escola pretende viabilizar o desenvolvimento de valores fundamentais à prática duma cidadania plena, consciente e ativa; bem como assegurar o desenvolvimento intelectual dos seus alunos; garantindo a motivação e qualidade de trabalho dos colaboradores; mantendo com a comunidade escolar uma relação harmoniosa e de efetiva proximidade.

Temos um passado de que muito nos orgulhamos, mas é o futuro que nos move.

Vivenciar a aventura educativa do Centro Helen Keller é um privilégio.

Cada dia é um desafio, em que todos, educandos e educadores, numa relação alegre e afetiva experimentam a magia da cultura e em que a espontaneidade tem um lugar assegurado.

A nossa maior ambição é que aqui cresçam crianças felizes e bem preparadas para enfrentar com sucesso os desafios futuros.

Plano de Ação

O Centro Helen Keller, enquanto entidade formadora, deverá promover, simultaneamente, o desenvolvimento cognitivo e social dos alunos e o seu desenvolvimento emocional. Deverá ser um local de aquisição de aprendizagens que envolva o desenvolvimento da reflexão e da autonomia dos alunos.

A integração de alunos com necessidades de saúde especiais deverá ser entendida como promotora da partilha de experiências, beneficiando o processo educativo de todos os alunos.

O desenvolvimento de projetos que permitam a inter-relação dos alunos dos diferentes ciclos deverá também ser entendido como um aspeto relevante.

A comunidade escolar do Centro deverá envolver-se e caminhar em direção a um futuro mais sustentável nos três pilares fundamentais: social, ambiental e económico. O papel da família deverá ser entendido como essencial, procurando-se a cooperação e a corresponsabilização entre os diferentes agentes educativos.

Domínio 1:

Educação para a cidadania

  • Promover a escola de e para todos
  • Promover a cidadania, tolerância e solidariedade
  • Promover atividades que estimulem os alunos para a participação em ações solidárias
  • Promover atitudes inclusivas, desenvolvendo o respeito pela diferença
  • Desenvolver estratégias promotoras de respeito e regras de boa conduta
  • Promover atividades que fomentem o trabalho cooperativo
  • Fomentar o espírito de entreajuda
  • Promover o debate de ideias
  • Promover a autonomia e melhorar o comportamento e sentido de responsabilidade
  • Promover o zelo pelo espaço e património da escola
  • Sensibilizar a comunidade escolar para a defesa, conservação e sustentabilidade do meio ambiental
  • Desenvolver a criatividade, a apropriação das linguagens elementares das artes e a compreensão das artes no contexto

Domínio 2:

Ensino-Aprendizagem

  • Promover o sucesso escolar
  • Mobilizar saberes culturais, linguísticos, científicos e tecnológicos para compreender aspetos de outras culturas
  • Articular todas as valências numa perspetiva de sequencialidade
  • Proporcionar oportunidades de aprendizagem diferenciadas
  • Diversificar as metodologias, estratégias de ensino e atividades de aprendizagem
  • Fomentar um ambiente de trabalho estimulante, quer a nível de recursos físicos, quer ao nível das relações humanas
  • Valorizar as experiências pessoais dos alunos no processo de ensino/ aprendizagem
  • Colocar à disposição dos alunos recursos materiais e humanos que permitam superar as suas dificuldades
  • Entender a inovação como fator de promoção do sucesso escolar e educativo
  • Promover o espírito crítico e a motivação dos alunos
  • Estimular as aprendizagens experimentais nas diferentes áreas curriculares e não curriculares
  • Promover a participação das famílias no processo de ensino-aprendizagem
  • Enriquecer a oferta educativa relativamente às atividades extracurriculares
  • Assegurar que as atividades extracurriculares sejam uma mais-valia a diferentes níveis: físico, intelectual, cognitivo ou artístico

Domínio 3:

Pessoal

  • Promover ações de formação, informação e sensibilização para pessoal docente e não docente
  • Garantir a distribuição de tarefas de forma adequada à função dos colaboradores
  • Intensificar os processos de comunicação interna
  • Desenvolver um sistema de incentivos
  • Desenvolver o espírito cooperativo
  • Promover interações entre os agentes educativos
  • Promover a participação entre os agentes educativos e os órgãos de gestão
  • Promover a partilha e construção de recursos educativos
  • Promover práticas educativas inovadoras

Domínio 4:

Comunidade

  • Consolidar a identidade e cultura do centro
  • Promover a representação do Centro em diferentes contextos
  • Promover diferentes atividades envolvendo a comunidade escolar
  • Valorizar a localização da escola (parque florestal)
  • Promover/otimizar acordos e protocolos com outras entidades com vista ao sucesso escolar
  • Promover a aproximação entre escola, pais/encarregados de educação e a comunidade envolvente
  • Fomentar o interesse dos Encarregados de Educação pelo acompanhamento escolar dos seus educandos
  • Divulgar as atividades promovidas pelo Centro Helen Keller
Domínios Estratégias Instrumentos de Avaliação Momentos de avaliação
Educação para a cidadania
  • Organização de turmas inclusivas
  • Realização de projetos inter-turmas e que envolvam a Sala Aventura
  • Respeito pela diversidade, aprendendo a conhecer o outro
  • Participação em ações de solidariedade e responsabilidade social
  • Estimulação da compreensão da necessidade do cumprimento de regras
  • Correção de atitudes, exercitando alternativas socialmente corretas
  • Dinamização e ocupação de diferentes espaços escolares como forma de motivar os alunos
  • Dinamização de ações que alertem e sensibilizem para as questões ambientais e de hábitos de vida saudável
  • Oferta de atividades extracurriculares que fomentem o gosto pela ciência, pelas artes e pelo desporto
  • Participações de ocorrências de caráter disciplinar: frequência e natureza
  • Assiduidade e pontualidade dos alunos
  • Atividades extracurriculares: oferta, frequência e desenvolvimento
Ao longo do ano letivo, com especial incidência no final do mesmo
Ensino-aprendizagem
  • Organização e disponibilização de recursos adequados e potenciadores da aprendizagem
  • Motivação dos alunos através de metodologias diferenciadas e estratégias inovadoras
  • Desenvolvimento das capacidades de reflexão crítica e autoavaliação
  • Apoio direto e/ou indireto aos alunos com maiores dificuldades de aprendizagem
  • Reorientação vocacional e o encaminhamento dos alunos para percursos educativos adequados ao seu perfil
  • Reforço da interdisciplinaridade
  • Reforço da articulação entre diversas valências
  • Exploração de diferentes espaços escolares como viabilizadores de aprendizagens significativas
  • Taxa de sucesso por disciplina, turma, ano e ciclo
  • Taxa de sucesso da implementação dos planos de acompanhamento pedagógico individual
  • Análise de atas das reuniões de avaliação
  • Análise comparativa dos resultados da avaliação interna, da avaliação externa e das médias nacionais
  • Apoios pedagógicos acrescidos e reforços
  • Análise dos programas próprios de turma/ grupo
  • Análise dos relatórios de visitas de estudo/atividades de complemento curricular
  • Análise dos relatórios do cumprimento do Plano Anual de Atividades: intermédio e final
Ao longo do ano letivo, com especial incidência no final do mesmo
Pessoal
  • Investimento pessoal e por parte da escola no desenvolvimento profissional do pessoal docente e não docente
  • Diversificação dos meios de comunicação como forma de aproximação e difusão da informação: reuniões, comunicados/ circulares, correio eletrónico, página de internet, página de Facebook
  • Valorização de práticas de trabalho cooperativo
  • Criação e disponibilização de fundos documentais partilhados
  • Avaliação dos departamentos
  • Análise da resposta dada às necessidades de formação sentidas pelo pessoal
Ao longo do ano letivo, com especial incidência no final do mesmo
Comunidade
  • Participação em atividades competitivas a uma escala mais alargada (nacional)
  • Celebração de protocolos e parcerias com entidades externas e que otimizem os nossos recursos e experiências
  • Investimento na divulgação de diversas atividades desenvolvidas no Centro
  • Promoção de atividades que aproximem as famílias da escola
  • Envolvimento das famílias na resolução de problemas reais
  • Contactos efetivos entre pais/ EE e a escola
  • Atividades realizadas com a participação das famílias
  • Solicitações externas para a utilização dos diferentes espaços escolares
  • Participação do CHK em diversos projetos
  • Relatórios das atividades
  • Prémios/menções honrosas alcançados
  • Protocolos celebrados
Ao longo do ano letivo, com especial incidência no final do mesmo

Conclusão

Em forma de conclusão, pretendemos cumprir as finalidades atrás referidas, tendo como principal objetivo, incrementar uma cultura que assuma os princípios e valores definidos pela comunidade escolar.

Uma cultura organizacional capaz de responder à dialética entre o “agora” e o “ainda não”, entre o que somos e aquilo que queremos ser.

A nossa pretensão é, através da implementação deste projeto, dar corpo à criação de uma cultura dialogal, inovadora, avaliativa, pensada e funcional para que, desta forma, os nossos discentes possam crescer num ambiente promotor de competências e habilidades potenciadoras da construção de cidadãos plenos e conscientes.

Consideramos que, só através da participação ativa e crítica de toda a comunidade educativa, será possível levar a cabo a missão, os valores e a visão que estão patentes neste projeto e que são o barco que nos transporta na busca da melhoria e da excelência.