Projeto Curricular de Escola

regulamentos

Projeto Curricular de Escola

Informação atualizada em 25 de setembro de 2019

INTRODUÇÃO 

O presente documento, em conjunto com o Projeto Educativo de Escola, forma o Plano de Atividades para o desenvolvimento do Currículo.

Trata-se de um documento da responsabilidade do Conselho Pedagógico (que o elabora, revê e avalia) que deve ser definido anualmente, e com vista a servir um determinado ano letivo operacionalizando, ao nível de escola, o que os órgãos de gestão pedagógica entendem ser a conduta correta e adequada à população que servem. Para tal, e embora a sua base seja o Projeto Educativo de Escola (documento elaborado para um triénio) este deve atender, sempre que possível, às necessidades mais imediatas da comunidade em geral e dos alunos em particular.

A sua elaboração deve ser entendida como a oportunidade que a escola (e os seus órgãos de gestão pedagógica) tem de operacionalizar o Currículo Nacional e as restantes diretrizes do Ministério da Educação de forma específica e completamente adequada à realidade a que se destina. Assim, este documento protagoniza a Gestão Flexível do Currículo permitindo que a escola seja autónoma nas suas decisões pedagógicas, promovendo necessariamente o sucesso escolar e o desenvolvimento integral dos alunos enquanto futuros cidadãos conscientes, responsáveis e ativos na sociedade em que se inserem.

Os seus principais objetivos são:

  • Explicitar as diversas estratégias de concretização e desenvolvimento do currículo;
  • Adequar os objetivos constantes nos currículos nacionais à realidade do Centro Helen Keller, privilegiando os interesses e reais necessidades dos alunos;
  • Aplicar a autonomia da escola ao serviço das necessidades e interesses dos alunos.

Resta apenas fazer referência ao Plano Anual de Atividades e ao Regulamento Interno que representam, igualmente, documentos estruturantes das dinâmicas e práticas da escola. Todos estes articulam entre si.

I – FUNCIONAMENTO DO CENTRO

 Calendário Escolar

Berçário, Creche e Jardim de Infância

  • Início: 3 de setembro de 2018
  • Encerra: 24 e 31 de dezembro de 2018, 5 de março de 2019 e de 16 a 31 de agosto de 2019
1º, 2º e 3º Ciclos
1º Período
2º Período
3º Período

Início: 09/09/2019

Fim: 17/12/2019

Início: 06/01/2020

Fim: 23/03/2020

Início: 14/04/2020

Fim: *
Interrupções letivas

30/10/2019 a 31/10/2019

18/12/2019 a 03/01/2020

24/02/2020 a 26/02/2020

30/03/2020 a 13/04 2020

—————————

* Os alunos do 9º ano terminam o ano letivo a 04/ 06/ 2020.

Os alunos do 1º e 2º Ciclos, 7º e 8º ano terminam o ano letivo a 19/ 06/ 2020.

 Nota: os alunos do JI abrangidos pelo preçário de transição, devem reger-se pelo calendário escolar do 1.º Ciclo.

 

Horários

Berçário/ Creche Jardim de Infância 1º Ciclo 2º e 3º Ciclos
Início das Atividades letivas
As atividades decorrem entre as 9h e as 16h, respeitando as pausas de descanso das crianças
9h
8h40 (a)
8h50 (b)
Almoço
12h
12h30 (c)
12h30/ 13h30 (d)
Reinício das Atividades Letivas
14h
14h30
14h30
Fim das Atividades Letivas
15h30
16h10
16h10

a) Intervalo entre as 10h20min e as 10h50min;

b) Intervalos entre as 10h30min e as 10h50 e entre as 12h30min e as 12h40min;

c) As turmas dos 3º e 4º anos, apenas um dia por semana, almoçam às 13h30;

d) Dependendo dos dias da semana.

A receção aos alunos é feita a partir das 8h.

Todos os alunos podem permanecer nas instalações do Centro até às 17h, salvo aqueles que estejam inscritos em atividades extracurriculares, que optem pelo Prolongamento ou que estejam no Berçário/ Creche ou Jardim de Infância.

 

Ocupação plena dos tempos escolares

De modo a evitar tempos sem atividade letiva, decorrentes da ausência do Professor, o Centro estabeleceu um conjunto de medidas que visam garantir a ocupação plena dos tempos escolares, tal como é definido pelo artigo 12º, do Despacho nº 13599/2006, de 28 de junho.

Os alunos do Jardim de Infância mantêm o seu grupo que é assegurado pela auxiliar da respetiva sala.

No caso do 1º Ciclo, as atividades são assumidas por professores que não se encontrem em atividades letivas com as respetivas turmas. Em caso de necessidade poderão ainda ser distribuídos pelas restantes turmas ou encaminhados para a biblioteca do Centro.

Relativamente aos 2.º e 3.º Ciclos, sempre que um docente falte é substituído, na respetiva sala de aula, por um docente destacado para o efeito ou por um auxiliar. Poderão ainda ser encaminhados para a Biblioteca da escola.

Em qualquer dos casos acima descritos, existe sempre material previamente elaborado para garantir o trabalho efetivo dos alunos.

II – RECURSOS HUMANOS

 Para o ano letivo 2019/ 2020, o Centro Helen Keller conta com a seguinte população escolar:

 Alunos*

Berçário
Creche
Jardim de Infância
1º Ciclo
2º Ciclo
3º Ciclo
4 – 12 meses: 4
12 – 36 meses: 38
3, 4 e 5 anos: 76

1ºAno: 33
2ºAno: 41
3ºAno: 40
4ºAno: 44

5ºAno: 61
6ºAno: 63

7ºAno: 35
8ºAno: 17
9ºAno: 34

Totais
4 crianças
1 grupo

Totais
38 crianças
3 grupos

Totais
76 crianças
4 grupos

Totais
158 alunos
8 turmas

Totais
124 alunos
6 turmas

Totais
86 alunos
5 turmas

* Contagem efetuada à data do conselho pedagógico no qual foi aprovado o presente documento

 

Pessoal Docente e não docente

Pessoal Docente Técnicos e Terapeutas Pessoal Administrativo e Auxiliar
1 Diretora Pedagógica
1 Assessor da Direção Pedagógica
7 Educadoras de Infância
8 Professoras Titulares
28 Professores dos diferentes grupos disciplinares
4 Professores de Educação Especial
2 Técnicos de Braille
1 Técnico de Orientação e Mobilidade
2 Terapeutas da Fala
1 Terapeuta Ocupacional
2 Psicólogas
2 Tutores
1 Técnico Ação Educativa
1 Pediatra
1 Diretor Serviços
4 Administrativas
1 Prefeito
17 Auxiliares de Ação Educativa
1 Técnico informático
1 Porteiro
2 Jardineiros/ Manutenção

III – ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

 Disciplinas e carga horária

  • Jardim de Infância
Atividades Carga Horária Semanal
3 Anos
4 Anos
5 Anos
Atividades de Sala de Aula
12h15min
14h30min
13h
Dormitório
7h30min
———-
———-
Atividades lúdicas
———-
7h
5h
Expressão Motora
1h30min
1h30min
1h30min
Expressão Musical
1h30min
1h30min
2h15min
Inglês
1h30min
1h30min
1h30min
Filosofia para Crianças
———-
———-
45 min
Projeto ABC
———-
———-
45 min

As atividades de sala de aula são orientadas pela educadora e integram as várias áreas curriculares definidas pelo Ministério da Educação. São elas: Área de Formação Pessoal e Social, Área da Expressão e Comunicação (domínio das Expressões: Musical, Motora, Plástica e Dramática; domínio da Linguagem oral e abordagem à escrita e domínio da Matemática), Área do Conhecimento do Mundo e Área das Tecnologias da Informação e Comunicação.

As aulas de Expressão Musical, Expressão Motora, Inglês e Filosofia para crianças são da responsabilidade de professores especializados nas respetivas áreas. Relativamente aos grupos de cinco anos existe uma coadjuvação por parte de um professor do 1º Ciclo (Projeto ABC) no sentido de orientar e adaptar as crianças a uma nova realidade, visando uma melhor integração no 1º Ciclo.

  • 1º Ciclo
Disciplinas Carga Horária Semanal (X 50 minutos)
1º Ano
2º Ano
3º Ano
4º Ano
Português
9
8
8
8
Matemática
8
9
8
8
Estudo do Meio
3
3
4
4
Expressões Artísticas: Dramática e Plástica
2
2
2
2
Expressão e Educação Musical
2
2
2
2
Expressão e Educação Físico-Motora
2
2
2
2
ITIC (quinzenal)
0,5
0,5
0,5
0,5
Braille (quinzenal)
———-
———-
0,5
0,5
Inglês
2
2
3
3
Apoio ao Estudo
2
2
2
2
Formação Cívica
1
1
1
1

As disciplinas de Português, Matemática, Estudo do Meio, Apoio ao Estudo, Formação Cívica e Expressão Artística – Dramática e Plástica – são da responsabilidade do professor titular de turma.

As disciplinas de Expressão e Educação Musical, Expressão e Educação Físico-Motora, Inglês, ITIC e Braille são da responsabilidade de professores especializados nas respetivas áreas sendo que, no caso do ITIC e do Braille, a turma é dividida em dois grupos, estando um a desenvolver atividades na área do ITIC e o outro atividades no âmbito da aprendizagem do Braille.

É oferta complementar a disciplina de Formação Cívica. Esta escolha prendeu-se com a importância que queremos dar aos valores cívicos e morais contribuindo, dentro das possibilidades da escola, para a formação de cidadãos mais ativos, conscientes e solidários.

O Centro escolheu a disciplina de Inglês como atividade de enriquecimento curricular, uma vez que se pretende dar continuidade ao trabalho iniciado no Jardim de Infância enaltecendo as capacidades comunicativas e linguísticas dos nossos alunos. Mais uma vez, vamos além dos mínimos estabelecidos pelo Ministério da Educação.

  • 2º Ciclo
Disciplinas Carga Horária Semanal (X 50 minutos)
5º Ano
6º Ano
Português
5
6
Inglês
3
3
História e Geografia de Portugal
3
3
Matemática
6
5
Ciências Naturais
3
3
Educação Visual
2
2
Educação Tecnológica
2
2
Educação Musical
2
2
Educação Física
3
3
Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação
1
1
Projeto
1
1
Cidadania e Desenvolvimento
1
1

O Centro assegura ainda aulas de apoio (fora do horário letivo) para alunos que apresentem maiores dificuldades na aquisição dos conhecimentos, nomeadamente nas disciplinas de português e matemática.

O Projeto foi a área curricular escolhida pelo Centro como oferta complementar. Esta escolha prende-se com a necessidade de criar momentos de trabalho que conduzam à dinâmica de grupo, potenciando a interdisciplinaridade e transdisciplinaridade.

Para os alunos com deficiência visual a escola oferece ainda apoio pedagógico acrescido (APA) às disciplinas de Português, Inglês e Matemática.

  • 3º Ciclo
Disciplinas Carga Horária Semanal (X 50 minutos)
7º Ano
8º Ano
9º Ano
Português
5
5
5
Inglês
3
3
3
Francês ou Espanhol
2
2
2
História
2,5
2
2
Geografia
2,5
2
2
Matemática
5
5
5
Ciências Físico-Químicas
2,5
3
3
Ciências Naturais
2,5
3
3
Educação Visual
2
2
2
Educação Tecnológica
1
1
1
Educação Física
3
3
3
Tecnologias de Informação e Comunicação
1
1
1
Cidadania e Desenvolvimento
1
1
1

Como oferta de escola, o Centro optou pela Educação Tecnológica. Quer a Educação Tecnológica, quer a TIC são disciplinas que funcionam semestralmente, sem lugar a desdobramento.

Resta ainda fazer referência aos apoios de Físico-Química, Português e Matemática que ocorrem fora do horário letivo (1 tempo/ semana), para os alunos com dificuldades pontuais. Os alunos que frequentam estes apoios são propostos pelo professor da disciplina e devidamente autorizados pelos encarregados de educação.

Para os alunos com deficiência visual, a escola oferece apoio pedagógico acrescido (APA) às disciplinas de Português, Inglês e Matemática. O mesmo ocorre fora do horário letivo e tem a duração de 45 minutos semanais, para cada uma.

Articulação entre áreas/ disciplinas, anos e ciclos

O Centro Helen Keller é uma escola que oferece à comunidade uma continuidade pedagógica que, maioritariamente, se revela muito positiva para alunos, pais e escola.

Esta continuidade permite que a escola (e todos os agentes educativos) conheça bem a sua população escolar, fomentando laços e, naturalmente, conhecendo de forma mais clara e rigorosa os reais interesses e necessidades dos alunos e respetivas famílias.

A articulação entre disciplinas – a tão falada interdisciplinaridade – é fomentada em todos os ciclos e valências, dando à criança a dimensão global do que é, ou pode ser, a escola. As áreas não são estanques, devendo, em conjunto, contribuir para a formação integral dos alunos.

Este trabalho é feito ao longo de todo o ano, sendo especialmente enfatizado no início do ano letivo através de reuniões entre professores, onde é planificado o trabalho que visa a referida interdisciplinaridade.

Dentro do mesmo ano de escolaridade, sempre que possível, são promovidas atividades comuns que viabilizam o estreitamento de laços entre alunos.

A passagem de valências é, talvez, o ponto mais sensível no que respeita à adaptação dos alunos. Implica, regra geral, a mudança de colegas de turma, a mudança de grupos de professores (em alguns casos dá-se também um aumento significativo do número de professores, como é o caso do 1º para o 2º Ciclo), a alteração de muitas dinâmicas quotidianas, entre outros aspetos.

Assim, é essencialmente sobre estas transições de ciclo que incide sempre uma especial atenção no que diz respeito à articulação. Apresentam-se agora, sob a forma de listagem, algumas das medidas de articulação que consideramos mais importantes:

  • No final de cada ano letivo e antes do início das aulas do ano seguinte, as educadoras reúnem com os professores que iniciarão o 1º ano, de modo a delinearem estratégias para uma mais fácil e correta integração dos alunos. O mesmo acontece entre os professores que terminam o 4º ano de escolaridade e os diretores de turma dos que agora iniciam o 2º Ciclo. Estas reuniões têm, sempre que necessário, a presença dos professores da educação especial e dos coordenadores dos respetivos departamentos.
  • As turmas do Jardim de Infância e do 1º Ciclo desenvolvem, ao longo de todo o ano, projetos inter-turmas, que permitem que os alunos mais pequenos conheçam as professoras do 1º ciclo (facilitando a sua integração mais tarde) e estabeleçam relações de afinidade com aqueles que a curto/ médio prazo serão os seus colegas de ciclo. Estas dinâmicas permitem ainda que algumas aprendizagens sejam feitas com o envolvimento de diferentes faixas etárias, tornando-as mais ricas e significativas.
  • Os professores que lecionam o 4º ano de escolaridade começam a desenvolver ações pontuais nas salas do Jardim de Infância (como contar histórias, confecionar receitas simples, etc.) com o intuito de começarem, desde cedo, a estabelecer ligações com as crianças que integrarão o 1º ano no ano letivo seguinte.
  • Ocasionalmente, professores de níveis mais avançados reúnem com professores dos anos/ ciclos anteriores de modo a serem definidas, em conjunto, algumas linhas orientadoras no que respeita às opções curriculares, de acordo com as possibilidades oferecidas pela gestão flexível do currículo.
  • Ao longo do ano letivo, ocorrem algumas atividades que envolvem diferentes anos ou ciclos, promovendo o convívio e partilha entre todos, tal como se pode verificar no Plano Anual de Atividades.

IV – DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO

O Centro Helen Keller conta com a colaboração de professores contratados, a recibos verdes e em regime de mobilidade estatutária. De acordo com as condições contratuais de cada um, é estabelecido um plano de ação que contempla sempre o trabalho direto com os alunos e, quando possível, a dinamização de atividades e projetos.

Cabe aos educadores de infância e aos professores do 1º Ciclo a supervisão, acompanhamento e auxílio durante os tempos de almoço dos respetivos alunos. No caso das idades mais jovens (até ao 2º ano de escolaridade) é também feito o acompanhamento ao lanche.

No caso dos professores dos 1º, 2º e 3º Ciclos, cabe-lhes a dinamização (preparação, lecionação e avaliação) dos apoios, apoios pedagógicos acrescidos, apoio à Educação Especial, apoio ao Refeitório na hora de almoço e salas de estudo. Consoante cada caso, estas funções são-lhes atribuídas no âmbito da sua componente letiva ou não letiva.

É também considerado tempo da componente não letiva para o desenvolvimento de trabalho individual (preparação de aulas, reuniões…).

V – CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS

Os horários dos professores e alunos são elaborados em conformidade com as disposições legais em vigor, na direta dependência da Direção Pedagógica e sob a sua responsabilidade.

Não obstante a Lei em vigor, apresentam-se, de seguida, os critérios valorizados pelo Centro:

  • Os horários dos docentes e dos alunos serão feitos de acordo com a legislação em vigor, nomeadamente os respetivos estatutos, o Regulamento Interno e os Despachos normativos nº.7/2013 de11 de junho, nº 7-A/2013 de 10 de julho e nº6/2014, de 26 de maio;
  • A apresentação de cada horário obedecerá ao esquema de blocos/tempos letivos devidamente definidos quanto ao seu início e conclusão;
  • A elaboração de horários, quer das turmas quer dos professores, obedecerá, primordialmente, a critérios de ordem pedagógica;
  • Para a elaboração de horários conjugar-se-ão os interesses da escola e dos discentes, no respeito inequívoco do Regulamento Interno;
  • Procurar-se-á manter a continuidade do professor na turma ao longo de um ciclo, desde que não haja motivos que aconselhem a sua substituição;
  • Dever-se-á evitar a atribuição de turmas com disciplinas sujeitas a prova final a professores para os quais haja previsibilidade de ausência prolongada;
  • O horário dos alunos não poderá ter tempos desocupados entre as atividades letivas;
  • As disciplinas sujeitas a provas finais devem ter a maior parte da sua carga horária no turno da manhã;
  • Sempre que possível, os tempos de uma mesma disciplina devem estar distibuídos de forma equilibrada pelos cinco dias da semana;
  • As aulas de uma turma devem concentrar-se na mesma sala, exceto nas disciplinas que exigem uma sala específica;
  • Línguas estrangeiras não podem ser lecionadas em tempos consecutivos, devendo evitar-se a coexistência de ambas num mesmo dia;
  • As aulas de Expressão e Educação Físico-motora e Educação Física não devem ter lugar em dias consecutivos;
  • As aulas de Expressão e Educação Físico-motora e Educação Física não podem realizar-se na hora seguinte à de almoço;
  • Alguns horários poderão estar condicionados pelas necessidades educativas especiais de alguns alunos integrados numa turma;
  • As aulas de Apoio Pedagógico Acrescido só podem funcionar em horário pós-letivo.

VI – CRITÉRIOS PARA A ELABORAÇÃO DE TURMAS

Os Professores responsáveis pela constituição de turmas devem ter em atenção as seguintes orientações, não obstante a Lei em vigor:

  • Formar grupos/ turmas heterogéneas;
  • Na transição de um ciclo para o seguinte, os alunos deverão ser reorganizados de modo a formarem novas turmas com outros colegas que não exclusivamente os anteriores, facilitando assim os processos de socialização e integração;
  • Para a formação de novas turmas, são sempre tidas em consideração as indicações/ orientações emanadas pelos professores/ educadores responsáveis pelo acompanhamento dos alunos nos anos/ ciclos anteriores;
  • O departamento de Educação Especial é sempre ouvido neste processo, dando as indicações que considerar pertinentes para a organização de turmas equilibradas e com melhores estruturas de apoio;
  • Manter juntos, sempre que possível, pequenos grupos de alunos provenientes de outras escolas, de modo a facilitar a sua integração;
  • Os grupos do Jardim de Infância são preferencialmente constituídos por um máximo de 20 crianças;
  • As turmas do 1º Ciclo são preferencialmente constituídas por um máximo de 22 alunos;
  • As turmas dos 2º e 3º Ciclos são preferencialmente constituídas por um máximo de 22 alunos;
  • Qualquer situação não prevista nos pontos anteriores deverá ser cautelosamente analisada em Conselho Pedagógico e, quando necessário, solicitada a respetiva autorização aos órgãos superiores competentes.

VII – PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

O Plano Anual de Atividades (PAA) é o documento que permite o planeamento das diferentes atividades a realizar ao longo do ano letivo. Nele, constam todas as iniciativas relacionadas com a organização geral do ano escolar, visitas de estudo, datas comemorativas, outras atividades de escola, plano de formação e atividades extracurriculares.

Para cada situação, constam ainda a data prevista, os objetivos, os dinamizadores, o público a quem se destina, os recursos materiais, o orçamento previsto e as formas de avaliação.

Podem, ao longo do ano, surgir outras atividades que, embora não tivessem sido inicialmente previstas, revelam interesse e pertinência para a persecução dos objetivos propostos para cada turma/ grupo de alunos.

Este documento é público, podendo ser consultado no site do Centro.

VIII – ATIVIDADES EXTRACURRICULARES

As atividades extracurriculares enquadram-se no âmbito do enriquecimento curricular e são atividades de caráter facultativo, de natureza essencialmente lúdica e cultural, frequentadas livremente pelos alunos ou sob proposta dos respetivos conselhos de turma e/ou diretores de turma. Estas atividades contribuem em larga medida para ampliar os conhecimentos dos alunos nas mais variadas áreas e vertentes, sendo fomentadoras de sucesso e de boas práticas.

Pretende-se implementar atividades motivadoras e do interesse dos alunos, sem perder de vista a sua valorização pessoal e coletiva. Algumas das atividades visam o alargamento e a complementaridade do trabalho desenvolvido na sala de aula. É importante que o aluno se aperceba que os conhecimentos e competências adquiridas na sala de aula têm utilidade na vida prática.

O Centro Helen Keller pretende, assim, apresentar um vasto leque de atividades extracurriculares que, por um lado, permitam a ocupação dos alunos durante os períodos pós-letivos e, por outro, viabilizem o desenvolvimento de competências direcionadas para um ponto de interesse específico dos alunos.

As atividades extracurriculares existentes no Centro iniciam-se no primeiro dia útil do mês de outubro e preveem a existência de aulas experimentais gratuitas, durante o mês de setembro. Todas as atividades ocorrem no espaço escolar do Centro Helen Keller.

Atividades Extracurriculares promovidas pelo CHK

Ballet
Basquetebol
Dança
Futebol
Ginástica Acrobática
Ginástica Infantil
Guitarra
Judo
Piano
Yoga

Informações mais específicas sobre cada atividade encontram-se no site do Centro.

Ver extracurriculares

IX – DESPORTO ESCOLAR

 O Desporto Escolar constitui um instrumento muito importante para a comunidade escolar, fazendo parte de uma das estratégias para o desenvolvimento das práticas desportivas, para a melhoria da qualidade do ensino/ aprendizagem e para o combate à indisciplina. O Desporto Escolar promove a socialização e interação com outras realidades escolares, através de um enquadramento competitivo local e nacional. Os alunos melhor classificados apuram-se para as fases subsequentes.

 Corta-Mato e Megasprinter

O atletismo é uma modalidade com muita tradição nos quadros competitivos do Desporto Escolar. O Corta-Mato e o Megasprinter são as atividades mais participadas neste âmbito, em todo o país.

O Corta-Mato é uma corrida de média distância, realizada em terreno com relevo acidentado e cujo piso poderá variar entre a relva e a terra batida. Solicita sobretudo a resistência, como capacidade física, dos participantes. O Megaspinter é constituído por um conjunto de quatro provas “técnicas” e realiza-se em pista: 40m, salto em comprimento, lançamento do peso e 1000m. O Centro tradicionalmente faz-se representar nestas atividades com delegações resultantes do apuramento dos melhores classificados nas competições realizadas ao nível de escola.

 Goalball

Dadas as características especiais do Centro, existe ainda uma outra modalidade – Goalball – integrada no âmbito do desporto escolar e que permite a prática desportiva a todos os alunos, independentemente da sua acuidade visual.

Esta modalidade pode ser praticada pelos alunos normovisuais, com baixa visão ou cegos, uma vez que todos jogam utilizando vendas nos olhos, permitindo assim uma efetiva igualdade de oportunidades.

Existem dois treinos semanais para cada um dos escalões existentes: 1.º, 2.º e 3.º Ciclos.

Os alunos que integram as equipas participam em diversos jogos de demonstração, quer no Centro quer noutras escolas.

Atividades Internas

Durante o ano letivo realizam-se vários campeonatos desportivos de âmbito escolar. Estas competições procuram potenciar os recursos existentes no Centro e, concomitantemente, ir ao encontro dos gostos desportivos dos alunos. Estas atividades têm sido muito importantes para uma vivência sã da comunidade escolar.

Dia do Mérito Desportivo

O Dia do Mérito Desportivo constitui o culminar das atividades do Desporto Escolar em cada ano letivo. Este dia celebra os valores desportivos e reconhece o esforço e resultados dos alunos nas diversas atividades realizadas.

X – CONDUTA NO ESPAÇO ESCOLAR

Toda a comunidade escolar deve apresentar-se, deslocar-se e permanecer nas instalações do Centro respeitando sempre todas as regras e procedimentos constantes quer no Regulamento Interno do Centro, quer nos regulamentos específicos de determinados espaços e atividades.

XI – EDUCAÇÃO ESPECIAL

O Centro Helen Keller dispõe de apoios terapêuticos, nomeadamente, Terapia da Fala, Terapia Ocupacional, Psicologia (Clínica e Educacional) os quais se destinam a todos os alunos que necessitem deste tipo de acompanhamento especializado.

Sendo o Centro uma escola vocacionada para o ensino de crianças e jovens com Deficiência Visual, são assegurados os apoios específicos de acordo com as necessidades e especificidades de cada caso. Neste âmbito são facultados os seguintes apoios: apoio braille; informática adaptada; orientação e mobilidade e apoio de educação especial.

No sentido de promover a existência de condições para a inclusão plena dos alunos existe uma Equipa Multidisciplinar de apoio à Educação Inclusiva, a qual define as medidas educativas a aplicar a cada aluno de acordo com o definido no Decreto Lei 54/2018.

XII – AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS

Critérios de Avaliação

Os critérios de avaliação específicos de cada ciclo e ano de escolaridade são discutidos e elaborados em Conselho de Docentes, no caso do Jardim de Infância e do 1º Ciclo, e em departamentos curriculares e conselho de diretores de turma, no caso dos 2º e 3º Ciclos. Os mesmos são depois apresentados ao Conselho Pedagógico que os analisa, discute e ratifica, tendo sempre por base os Critérios Gerais de Avaliação e as indicações emanadas pelo Ministério da Educação.

Apresentam-se, de seguida, alguns tópicos a ter em conta sobre a aplicação dos critérios, independentemente do ciclo de ensino ou área disciplinar:

  • Os professores devem sempre sujeitar os seus alunos aos instrumentos base de avaliação, pelo menos uma vez por período letivo e de acordo com as planificações definidas pelos respetivos departamentos;
  • São obrigatórios momentos formais de avaliação da oralidade ou da dimensão prática e experimental, integrados no processo de ensino-aprendizagem, nas disciplinas em que tal seja definido;
  • Os professores devem dispor de elementos que lhes permitam fundamentar a avaliação dos trabalhos e prestação dos alunos, em todos os instrumentos de avaliação a que estes se sujeitarem;
  • Os professores devem garantir que os alunos/ encarregados de educação tenham conhecimento prévio de todos os instrumentos e critérios gerais e específicos que vão ser considerados na avaliação final dos alunos;
  • Os professores devem assegurar-se de que os encarregados de educação tomam conhecimento dos resultados obtidos pelos alunos nos trabalhos que constituem o instrumento base;
  • Os critérios de avaliação referidos anteriormente devem ser respeitados por todos os professores e considerar o desempenho dos alunos em cada momento de avaliação.

XIII – RELAÇÃO COM A COMUNIDADE EDUCATIVA

Parcerias

O Centro Helen Keller é uma escola que se encontra recetiva à interação com todos quantos se interessam pelos processos de ensino-aprendizagem em geral, e de alunos com deficiência visual em particular, e ainda na observação direta do trabalho que se realiza a nível da inclusão destes alunos.

Apresentam-se os principais parceiros do Centro Helen Keller:

Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto;

ANDDVIS;

Escola Superior de Saúde de Alcoitão;

Piscina Municipal do Restelo;

Colégio Santiago;

Escola Técnica Psicossocial de Lisboa;

Escola Superior de Educação de Lisboa;

Clube Internacional de Futebol (CIF);

Automóvel Clube de Portugal.

Mantêm-se ainda estreitas as relações com a Junta de Freguesia de Belém, o Rotary Club de Lisboa e a Escola Secundária de Pedro Nunes, entre outras.

Projetos

Ao longo do ano letivo são vários os projetos aos quais o Centro Helen Keller se associa. Regra geral, são aqueles que apresentam potencialidades ao nível do desenvolvimento de competências académicas e socias, enfatizando valores que vão ao encontro do Projeto Educativo do Centro.

Apenas a título de exemplo (e dando espaço para que outros surjam ao longo do ano) apresentamos alguns dos projetos em que participamos:

  • Eco-Escolas
  • Rede Nacional de Bibliotecas Escolares
  • O Pilhão vai à Escola – Ecopilhas
  • Campanhas diversas de recolha de bens e alimentos

Associação de Pais

O Centro Helen Keller tem uma Associação de Pais que visa facilitar a articulação entre a escola e a família. A Presidente da Associação de Pais é convidada a participar nas reuniões de Conselho Pedagógico, o que permite uma maior rapidez e eficácia da difusão de informação relevante junto das famílias dos alunos.

Os pais revelam-se também uma importante ajuda, quer na organização de algumas atividades/ eventos da escola, quer através da participação ativa nas discussões de interesse comum.

XIV – LINHAS ORIENTADORAS PARA A ELABORAÇÃO DOS PROGRAMAS PRÓPRIOS DE TURMA/ GRUPO

Todas as questões abordadas ao longo deste documento refletem estratégias adotadas pelo Centro Helen Keller de modo a operacionalizar os currículos nacionais num contexto tão específico como a nossa escola, atendendo sempre às filosofias próprias que nela são defendidas.

Contudo, os alunos (ou grupos de alunos) apresentam ainda um elevado número de caraterísticas distintas, nomeadamente no que respeita às faixas etárias, interesses e necessidades. Assim, serão a partir de agora elaborados os Programas Próprios de Turma/ Grupo (PPT/ PPG) de modo a delinear estratégias ainda mais específicas e direcionadas para o grupo/ turma a que se destinam.

Os PPT/ PPG são da responsabilidade dos professores titulares, no caso do 1º Ciclo, dos Conselhos de Turma, nos 2º e 3º Ciclos, e dos educadores de infância, no Jardim de Infância.

Todos deverão seguir as mesmas orientações, ainda que em cada ciclo possam surgir pequenas especificidades:

 I – CARACTERIZAÇÃO DA TURMA/ GRUPO

a) Lista nominal

b) Organização da sala

c) Lista de professores da turma/ grupo

d) Informações relevantes sobre a turma/ grupo

II – GESTÃO CURRICULAR

a) Avaliação diagnóstica da turma/ grupo

b) Problemas e potencialidades da turma/ grupo

c) Atividades, estratégias e projetos para o enriquecimento curricular

III – MOMENTOS DE AVALIAÇÃO DA TURMA/ GRUPO

IV – AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PRÓPRIO DE TURMA/ GRUPO

Nota: Sempre que haja necessidade, serão elaboradas adendas ao programa inicial.

XV – AVALIAÇÃO DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA

A avaliação do presente documento é feita no final de cada ano letivo e terá por base a recolha e análise de alguns aspetos, nomeadamente:

– Resultados do sucesso/ insucesso escolar dos alunos, por ano de escolaridade, disciplina e período escolar;

– Cumprimento do Regulamento Interno, através da avaliação do comportamento dos alunos em Conselho de Turma e em participações escritas;

– Trabalhos/ atividades realizadas que visem o desenvolvimento das competências desejadas;

– Níveis de participação da Comunidade Educativa (presenças em reuniões, propostas feitas, participação em festas e eventos.)

XVI – REVISÃO E APROVAÇÃO

A revisão deste documento será feita no final do ano letivo, depois de feita a respetiva avaliação.

Será aprovado no início do ano letivo a que se destina.

XVII – DIVULGAÇÃO

Depois de aprovado, será divulgado por toda a comunidade educativa, no site do Centro. Este documento está igualmente disponível em suporte de papel, a fim de poder ser consultado por todos os elementos da comunidade.